Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

FONTE: Revista Vida Sportiva

 

FONTE: Revista Vida Sportiva

 

FONTE: Revista Vida Sportiva

 

FONTE: Revista Vida Sportiva

 

Royal Football Club foi uma agremiação da cidade do Rio de Janeiro (RJ). A equipe Alvirrubra foi Fundada na quinta-feira, do dia 31 de Julho de 1913. A sua 1ª Sede ficava na Rua da Piedade, nº 98, no Bairro Piedade – Zona Norte do Rio. Depois, em 1917, se transferiu para a Rua Arquias Cordeiro, 314/230 – Méier - Zona Norte do Rio. Ainda no Méier, teve uma sede provisória, em 1918, na Rua Torres Sobrinho, 44. Por fim, a Sede ficava na Rua Souto, nº 105 – Cascadura – Zona Norte do Rio. A sua Praça de Esportesficava na Rua Dias da Cruz, nº 196 (próximo a Estação do Meyer), no Bairro do Méier, na Zona Norte do Rio.

Na esfera futebolística, após diversos torneios, festivais e excursões, o Royal Football Club ingressou na Associação Athletica Suburbana (AAS), em 1915. Na temporada seguinte trocou de entidade, se transferindo para a Liga Suburbana de Football (LSF), em 1916. No dia 12 de Maio de 1918, o Royal Football Club  se fundiu ao Sport Club Brasileiro do Rio Comprido, dando origem ao Metropolitano Athletico Club (que herdou a praça de sports do Royal e a vaga do Brasileiro na Liga Metropolitana).

 Time de 1913: Julinho; Cotia (Cap.) e J. Lourenço; Lino, Bulhões e Pequenino; Joaquim, Prata, Raul, Goivan e Attila.

 Time de 1916: Miro; Hergmann (Rubem) e Quintella (Joaquim Silva); Filóca, Danton e Lourenço; Aguinaldo (Nonô), Sampaio, J. Leite, Haroldo e Graciano.

FONTES: O Imparcial – Correio da Manhã- Jornal do Brasil – Lanterna – Revista Vida Sportiva

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

 

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

 

Fonte: Vida Sportiva - RJ

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

O Comércio Esporte Clube foi uma agremiação da cidade de Cuiabá (MT). O esquadrão Alviverde foi Fundado na segunda-feira, do dia 10 de Agosto de 1931, na capital do Mato Grosso.

A Diretoria que tomou posse em 1936, foi constituída da seguinte forma:

Presidente - Manoel Soares de Campos;

Vice-Presidente - Dr. Henrique José Vieira Neto;

1º Secretário - Álvaro Duarte Monteiro;

2º Secretário - Alcides Leite Pereira;

1º Tesoureiro - Gastão Proença;

2º Tesoureiro - Pioravanti Barbieri;

Orador Oficial - Vasco R. Palma;

Diretores Esportivos - Otávio Leite Pereira, Aclyne Cavalcanti de Mattos e Danglars Canavarros.

Meses depois, o Estádio do Comércio foi construído graças ao empenho do presidente, o farmacêutico Manoel Soares de Campos, nascido no Estado do Rio de Janeiro. Inaugurado na segunda-feira, do dia 07 de Setembro de 1936, surgia o 1º estádio de Cuiabá, situado na Praça de Esportes do Liceu Cuiabano.

O clube foi o 1º Campeão do Campeonato Cuiabano de 1936. Além desse ano, o Comércio esteve presente nas edições de 1937 e 1938. Voltando ao título de 1936, a campanha do Comercio foi a seguinte:

Domingo, dia 04 de Outubro

Comércio

2

X

0

Paulistano

Domingo, dia 25 de Outubro

Comércio

1

X

1

Americano

Domingo, dia 15 de Novembro

Comércio

2

X

0

Tipográfica

Domingo, dia 06 de Dezembro

Comércio

3

X

1

Destemido

Sexta-feira, dia 25 de Dezembro

Comércio

2

X

1

Mixto

Domingo, dia 03/Janeiro/ 1937

Comércio

1

X

1

Dom Bosco

FONTES:  Livro “Reminiscência do Futebol Cuiabano” – O Estado de Mato Grosso

 

 

 

O Apodi Esporte Club é uma agremiação do Município de Apodi (RN). O Tricolor Apodiense foi Fundado no domingo, do dia 23 de Março de 2003, como UNIVAP (União do Vale do Apodi). As suas cores: vermelho, branca e azul.

A equipe manda os seus jogos no Estádio Antônio Lopes Filho, com Capacidade para 5 mil pessoas. O município fica a 342 km da capital (Natal) potiguar, e a sua população é de 36.323 habitantes, segundo o Censo do IBGE/2017.

O UNIVAP, que disputava as categorias de base da Federação Norterio-grandense de Futebol (FNR), participou em 2007 pela primeira vez da categoria profissional, disputando o Campeonato Potiguar da Segunda Divisão e terminando em 3º lugar, com o nome de Apodi Esporte Club.

 

FONTES: Wikipédia – Página do Clube no Facebook – Blog do clube – Federação Norterio-grandense de Futebol (FNR) 

 

O Campinas Futebol Clube, da cidade de Campinas-SP, foi fundado na data de 7 de setembro de 1928.

Sua sede ficava na famosa Vila Industrial, daí ser conhecido como “Tricolor Vilense”.  Também era conhecido por “Moleque Apeano”.

Os fundadores do Campinas Futebol Clube foram Guido Bonturi, Adolpho Bonturi, Dino Bonturi, Antônio Bento Gonçalves, José Tavil, Firmino Gomes, Afonso Guarulhos, Álvaro Urbano, Antônio Ferreira e o esportista Elegância.

Seu primeiro presidente foi o senhor Francisco Muniz Pacheco.

O “Tricolor Vilense” fazia contra o Guarani FC o famoso derby campineiro. Guarani FC x AA Ponte Preta era o clássico máximo.

Dentre suas principais conquistas, destacamos: Campeão da Terceira Região da APEA em 1931, Campeão da Série Campineira de 1934 e Campeão do Torneio Início da Liga Campineira de Futebol em 1935 e 1937.

O Campinas Futebol Clube encerrou suas atividades na década de setenta.

Fontes: A Gazeta (dos anos de 1931 e 1932) e o historiador Celso Franco.

 

Fonte: Vida Sportiva / RJ

 

Fonte: Bahia Illustrada / BA

 

FONTE: Acervo de Marcelo Santos, Marcelão, ex-goleiro da Cabofriense 

 

 Em pé: Valdir. Enio Rodrigues. Oby. Valdo. Ivo e Orlando.

Agachados: Carlito. Breno. Pedrinho. Enio Rodrigues e Orcely.

 

Esquadrão do Renner de Porto Alegre no primeiro jogo contra a Seleção Alagoana em excursão a Alagoas

Em 1954 o Renner de Porto Alegre jogou duas partidas em Maceió. Era o primeiro clube gaúcho a visitar o Estado Nordestino.

Tinha conquistado o campeonato gaúcho da temporada e veio com muito cartaz. Possuía grandes jogadores e, alguns deles terminaram jogando na seleção brasileira.

O 1º jogo aconteceu no dia 27 de dezembro. O Renner perdeu para a Seleção Alagoana por 3 x 2. Um resultado que foi contestado pelos gaúchos que não aceitaram o segundo pênalti marcado pelo arbitro alagoano, Adalberto Silva. O goleiro Valdir de Moraes não quis ficar no gol para a cobrança. O juiz mandou cobrar com o meta gaúcha vazia. Era o gol da vitória alagoana. Orizon fez os dois de pênalti e Géo completou os gols do locais. Joeci e Enio Andrade marcaram para o Renner.

O jogo foi bom até o momento em que o juiz assinalou o segundo pênalti contra os visitantes.

O marcador era de 2 x 2 e demonstrava o equilíbrio entre as duas equipes.

Depois de muita conversa os dirigentes azulinos conseguiram convencer os gaúchos a retornarem ao campo e terminarem o jogo.

Foram os piores momentos da partida.

O Renner fazendo o tempo passar.

A seleção perdeu o interesse pelo jogo e a própria torcida não sentiu mais nenhuma emoção pela vitória.

A Seleção Alagoana venceu com Epaminondas. Dirson e Orizon. Piolho. Zanélio e Mourão. Cão (Helio Miranda). Dida. Cécé. Bequinho (Tonheiro) e Géo.

Três dias depois, no mesmo campo do mutange, o Renner voltou para enfrentar o CSA.

Os gaúchos exigiram que o juiz fosse Aparicio Viana que acompanhava a delegação na temporada pelo Nordeste.

O resultado final foi de 1 x 1.

O CSA com um time bem entrosado realizou uma grande exibição.

O Renner, esquecendo os problemas do domingo, também fez por merecer os elogios.

O publico assistiu um grande espetáculo. Um futebol de alto nível. Os alagoanos começaram de forma arrasadora. Assinalaram seu gol através do ponteiro Géo e realizaram um jogo de boa técnica e rapidez nas jogadas. No segundo tempo, os alagoanos cansaram e os gaúchos continuaram com a mesma regularidade.

E mantendo o ritmo, chegaram ao empate através de Juarez. Foi um grande jogo e que apagou a má impressão deixada na partida anterior quando os lamentáveis acontecimentos envolveram os jogadores do Renner e o juiz Adalberto Silva.

O CSA jogou com Almir. Paulo Mendes e Orizon. Piolho. Zanelio e Napoleão. Italo (Deda). Dida. Sued. Netinho e Géo.

O Renner com Valdir (Albertino). Enio Rodrigues. Léo (Ody). Ivo Medeiros (Gago). Bonzo (Valdo) e Orlando. Carlito. Breno. Pedrinho (Juarez). Enio Andrade e Joeci (Orely).

 

FONTES: Esquadrões de Futebol – Futebol Gaúcho – Wikipédia – História do Futebol Alagoano

 

 

Fonte: facebook Guarapaes Gec

© 2017 História do Futebol Suffusion theme by Sayontan Sinha